segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Os 20 piores filmes de 2011

Como bom cinéfilo, no fim de cada ano é hora de fazer nossas listinhas, abaixo segue os piores filmes que vi este ano.


20.Homens e Deuses: Nunca dormi tanto.E sou desses que coloca um elogiado na lista só pra causar polêmica.
19.Carros 2: Minha maior decepção desse ano. "Carros" é uma das animações que mais gosto, aí veio a continuação para cagar tudo.Tenso.
18.Assalto ao banco central: O filme fez o que prometeu: Boa bilheteria. Mas é bem fraco.


17.O futuro: O mais bobo do ano.
16.Apollo 18: Mesmo esquema de Atividade paranormal ou semelhantes, só que agora no espaço. Tem coisa pior?
15.Hanna: Muita promessa para um filme péssimo.


14.O besouro verde: Nem todo HQ pode ir pra telinha, principalmente com um elenco fraco.
13.Contágio: Um grande elenco e um ótimo diretor em um grande desperdício. ZZZroinc
12.Capitão América: Chris Evans estraga qualquer filme. Um tédio.


11.Sobrenatural: O dia em que fui enganado pelo trailer.
10.O ritual: Muitos gostaram, mas não consegui entrar na história. E ainda tem Alice Braga com a mesma cara de seus filmes internacionais, não muda.
9.Os pinguins do papai: Eu amo o Jim Carey e odeio pinguins. Dá pra perdoar alguns dele, mas esse...ô coisa boba, fiquei com o mesmo sentimento de Serial killer que tive em Happy Feet.


8.11/11/11. WTF?
7.Cisne: Quando Portugal tentou fazer um filme Cult deu nisso. O único que abandonei a sala de cinema este ano (WINNNNNNNN).
6.O padre. Bosta!


5.Premonição 5: Bem, só o fato de ser da franquia já entra em qualquer lista, mas eu vejo mesmo assim hihihih.
4.Invasão do mundo- Batalha de LA: Esquizofrênico.
3.A garota da capa vermelha. Um filme que faz os irmãos grimm levantarem da cova.


2. Onde está a felicidade? Bem, sabe quando há uma esperança de um pastelão ser bom? Pois é, fui na expectativa.Cheguei na sala de cinema e me deparei com uma versão de A praça é nossa, sem a menor coerência, bobo, acabando com toda a história do Caminho de Santiago, e quando você acha que não ia piorar, aparece uma musiquinha no final com a bolinha de videokê para cantarmos todos juntos.
1.Amanhã nunca mais: Precisa ser muito bom pra fazer um filme com 77min. Tudo no filme é mal acabado, TUDO!!! Acho que a equipe fez uma brincadeira séria com o público, não é possível.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

O cavalo de Turim (A torinói ló), de Béla Tarr

"Em Turim, em 3 de janeiro de 1889, Friedrich Nietzsche sai do imóvel da Via Carlo Albert, número 6. Não muito longe dali, o condutor de uma carruagem de aluguel está tendo problemas com um cavalo teimoso. O cavalo se recusa a sair do lugar, o que faz com que o condutor, apressado, perca a paciência e comece a chicoteá-lo. Nietzsche aparece no meio da multidão e põe fim à cena brutal, abraçando o pescoço do animal, em prantos. De volta à sua casa, Nietzsche então permanece imóvel e em silêncio durante dois dias estendido em um sofá, até que pronuncia as definitivas palavras finais ("Mãe, eu sou um idiota") e vive por mais dez anos, mudo e demente, sendo cuidado por sua mãe e suas irmãs. Não se sabe que fim levou o cavalo".

Logo após esta narração, acompanhamos a vida do condutor e sua filha que vivem isolados, longe da humanidade, com apenas a natureza em sua volta.

Um filme sensorial e intimista, que sem muito esforço, nos coloca dentro da narrativa, onde cada movimento, cada barulho é captado por nós de forma intensa e sensitiva.

Ao longo de seis dias entramos na vida monótona e simples do condutor e sua filha e também do cavalo presente na confusão inicial e a impressão que fica é que, assim como o animal que está definhando no celeiro, os dois apenas esperam o momento em que irão definhar também.

Durante a exibição fiquei na dúvida se era o condutor ou Nietzsche que acompanhávamos. No entanto, a vida dele é uma relação com a última fase do pensador, a demência. Além disso, os pouquíssimos diálogos presentes  referenciam a mudez de Nietzsche.

Outro fator importante (talvez o mais) a destacar é a presença da natureza. Os ruídos dos ventos insaciáveis, a falta d’água, frio, o cavalo e até mesmo o Homem são exemplos da complexidade e importância que o 
diretor dá e aexaltece.

Com planos longuíssimos (zzZZz...), porém belos, característicos do diretor, Cavalo de Turim é uma obra em que somos obrigado a entrar de cabeça e alma na vida dos  personagens.Conseguindo isso, entraremos numa experiência sensorial e bela.

O filme ganhou o Urso de prata  no festival de Berlim em 2011 e é o candidato da Hungria a representá-la no 
Oscar 2012.




segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Riscado, de Gustavo Pizzi

Bianca (Karina Teles) é uma excelente atriz que não consegue um emprego bom e vive de bicos para se sustentar.Certo dia, a sorte bate em sua porta e é convidada a para atuar em uma produção internacional

Ganhador do prêmio de diretor/roteiro/atriz em Gramado, o filme (aliás, Karina), ganhou também o  Festival do Rio do ano passado (melhor atriz).

Aliás, que descoberta hein? Desde o Hermila Guedes em "O céu de Suely" não via uma atuação no cinema nacional tão marcante.

Riscado além de tudo é um filme extremamente realista.Tenho amigos atores e sei a dificuldade de encaixar uma carreira de sucesso nos palcos, tv ou cinema. E se você não tiver um rostinho ou corpinho bonitinho que agrade os produtores, suas chances são ainda menores.Não basta só talento.

Além de talento, é preciso muita sorte. A protagonista vive de bicos em eventos imitando personagens históricas, como Marylin Monroe e Carmen Miranda, entre outras.Super talentosa faz um teste e os produtores gostam muito de seu trabalho, logo é convidada a participar de uma produção internacional.

Com isso, a felicidade vem à tona. Isso fica nítido na cena em que ela faz um jantar especial para ela mesmo, e coloca uma plaqueta escrito "ATRIZ".A vimos se adaptar a nova rotina de pré-produção e se desvincular do teatro e bicos.

No desfecho do filme, vimos que a  "sorte" pode ser muito traiçoeira.E como em qualquer profissão, existem muito mais fatores que podem influenciar nosso sucesso.

"RISCADO" é uma ótima narrativa sobre as dificuldades de ser ator, com uma atuação memorável de Karina Teles.Uma pena que pelo visto terá distribuição mínima nas salas de cinema =/ Quem tiver oportunidade, veja.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Medianeras, de Gustavo Taretto.


Eles moram na mesma rua, em prédios um do lado do outro, freqüentam os mesmos lugares, mas ainda não conseguiram se conhecer. Será que o destino vai permitir o encontro dos dois em uma cidade de três milhões de habitantes?

Este, com uma pegada mais atual consegue ser original ao levar uma história que já foi mais do que explorada pelo cinema americano de duas pessoas que não se  conhecem e começam um relacionamento.

Não é novidade para ninguém que as relações de hoje em dia estão cada vez mais difíceis. E que se relacionar amorosamente acaba sendo uma tarefa quase impossível.Com a correria do dia-a-dia, mais presente em cidade grande, não temos tempo para nos envolver, e os poucos “relacionamentos” são supérfluos, ocos e passageiros.

O prólogo do filme é extremamente interessante por mostrar a rotina deles.Algo que com  certeza é difícil não nos identificarmos.Durante a narrativa, acompanhamos as tentativas frustradas de envolvimento e de tornar as suas vidas mais interessantes.

Pra quem conheceu pessoalmente alguém da internet, vai rir demais na hora em que ele faz a comparação com um BIG MAC, que na foto é bem maior  mais gostoso...só que quando vem, aquele desânimo.

Além disso, muito é verdade que cada dia mais estamos mais dependentes da Internet.Como dito: “ A Internet me aproximou mais do mundo, mas me afastou da vida”.Puuuuuuuuuuuuura verdade.

Muito mais que um longa que fala sobre relações, Medianeras é uma excelente reflexão sobre nossa vida na cidade grande, em que estamos cada vez mais distante das relações pessoais.Mais um EXCELENTE filme argentino.


segunda-feira, 29 de agosto de 2011

O planeta dos macacos - A origem, de Rupert Wyatt

SINOPSE: Após a captura de alguns macacos para pesquisa, um grupo de cientistas começa a testar neles uma droga para o combate ao Alzheimer, no entanto, os resultados vão além do esperado alterando a inteligência dos primatas.Após um incidente, resolvem sacrificar os animais, apenas um filhote sobrevive e é criado por Will (franco).

Muitos dizem que Hollywood está em uma crise de criação, investindo demais em franquias e refilmagens.Planeta dos macacos é mais uma delas, assim como X-Men primeira classe. Mas analisando friamente apenas estes dois filmes,  pensei: Será mesmo uma crise? Ou por um lado  reinventar para melhorar e dar uma nova roupagem não exige um processo criativo mais intenso?

Desde o início, há um diferencial na montagem do longa. Há cenas rápidas, sem enrolação e que faz com o que o espectador não desgrude os olhos da tela. Isso torna a história,  até então desgastada para o público atual, um pouco mais interessante. Pois não é todo mundo que se interessa por um bando de macaco que domina o mundo, certo?

O principal feito do filme que contribuiu para o seu sucesso foi a parceria com a Weta digital, empresa de animação que já supervisionou os efeitos da trilogia de Senhor dos Anéis, King Kong e futuramente em Tin tin.Os macacos são recriados perfeitamente, maior parte é de se duvidar se são animais mesmo ou animações, uma das experiências mais bem feitas atualmente.

Ok. Agora falta falar sobre os humanos do longa? Nem precisa muito, mas vamos lá.O núcleo formado por Will e seu pai é o mais importante, visto que a origem das pesquisas com os macacos são influenciadas pela vontade dele de descobrir a cura para a doença de seu pai, Alzheimer.A relação com sua namorada (pinto) é totalmente desnecessária, não agrega nada. E os outros humanos do longa servem para intensificar a maldade  e ganância presente na raça humana, o que levará a sua decadência devido ao vírus e revolta dos macacos.

Cesar. O protagonista é uma episódio à parte. Acompanhamos o seu crescimento, a relação com os humanos e sua inteligência se desenvolver.Logo, começa a questionar sua existência e após alguns acontecimentos, começa a se revoltar. O que é inquestionável, devido as atitudes que vimos, e não é de se estranhar que a primeira palavra que ele fala é "Nãoooooooooo", um grito de libertação e negação de tudo o que é errado.

Planeta dos macacos - A origem  é um excelente recomeço para a franquia e junto com X-men: primeira classe são, até agora, os melhores blockbusters do ano.





terça-feira, 23 de agosto de 2011

The Woman, de Lucky McKee

SINOPSE: Ao caçar na matar, um pai de família vê uma  selvagem e resolve levá-la pra casa e "criá-la" no porão. Logo, sua família é obrigada se adaptar a essa nova situação.

Violência de todas formas, sendo ela física, moral e sexual estão presentes neste filme. Além de canibalismo, tortura e muito, MUITO sangue.

Que família estranha! Um pai, totalmente psicopata e sem princípios, uma mãe submissa as ordens do marido, um filho que segue os caminhos do pai e uma filha que mesmo parecendo a mais "normal" sofre com abusos e se vê submetida a ele.Além de uma garotinha bizarrinha também.

Com todas essas figuras,  a canibal é a mais normal e "humana" de todos.Analisando em termos racionais, ela somente segue o seu instinto selvagem e nada mais.

Mas o pai é bem pior do que ela. Isso porque, perante a sociedade é um sujeito normal, mas dentro de casa a história é outra. Violento, sádico, machista e sem moral, trata seu filho bem somente por ser do sexo masculino, e isso com ressalvas, pois há uma série de cobranças em cima dele. Sua mulher e filhas, servem somente para servi-lo, como donas de casa e também sexualmente, o que fica nítido com a suposta gravidez de sua filha e a passividade de sua esposa.

No desenvolver do filme ficamos no aguardo de quando a canibal irá se libertar e matar todos, com alguns acontecimentos que só reforçam o que foi dito acima.

O desfecho é um show de horror.Com algumas descobertas que confrontam a insanidade do pai e as atitudes da selvagem, que até certo ponto são coerentes, devido a sua natureza.


quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Confiar (Trust) de David Schwimmer

Uma família estruturada é surpreendida após descobrirem que sua filha de 14 anos foi vítima de pedofilia.

O filme vale pelo que representa e não como narrativa. D. Schimmer tenta  fazer uma boa trama, mesmo utilizando um elenco de dar inveja a qualquer diretor cai nos clichês e nos furos de roteiro.

A garota confia em um amigo virtual para se relacionar, e não nos pais.E mesmo sabendo que foi vítima os culpas por estarem atrás de seu "namorado".Logo o casal, se vê num dilema em que precisam ganhar a confiança de sua filha novamente, desta vez, de modo concreto.

Paralelo a isso, o desejo de vingança do pai é outro ponto que merce destaque.Ele fica obcecado em achar o culpado e isso atrapalha em sua vida, e também no mais importante: A recuperação de sua filha.

O que detestei foram as cenas relacionadas a polícia.Totalmente desnecessárias e aleatórias, só empobreceram o roteiro.Exemplo (SPOILER: Como a perícia pesquisou roupas, evidências de espermas e DNA, a polícia vasculhou sites e não olharam A Câmera do Shop. onde eles se encontraram? Vou te falar hein...).

No entanto, o saldo do filme é positivo. O elenco é muito bem estruturado e o objetivo do diretor é bem exposto.

Nossos filhos, sobrinhos, amigos estão vivendo em uma era digital onde tudo é mais fácil. Além de tudo, estão cada dia mais autoritários e certos de sua verdade. Logo, os adultos precisam fazer um papel duplo: De   colocá-los no caminho correto sem afetar a personalidade e em certo ponto, sua autoridade. Difícil hein?!?


domingo, 14 de agosto de 2011

Super 8, de JJ Abrams


O filme acompanha um grupo de garotos que está realizando um filme de zumbis com uma câmera Super 8.Resolvem então filmar uma cena numa estação de trem, logo presenciam uma colisão entre um trem militar e um caminhão.Após isso, percebem que isso não foi apenas um acidente e começam a investigar.

Super 8 é uma clara homenagem aos primeiros filmes de Spielberg, com destaque para Os goonies, E.T., Contatos imediatos de 3º grau e também Tubarão. Também é nítida a relação/narrativa do ET com o mostro de Cloverfield, ou seja, só é mostrado sua aparência física na segunda metade.

Muito bom ver esse clima de quando as crianças eram apenas crianças,  e não buscavam nada além do que se divertir.

O melhor deste é o elenco mirim, encabeçado por Joe (Joel Courtney) e Alice (Elle Fanning), que em todas as cenas dão um ar mais vibrante, de ingenuidade e dúvida.

Um filme pipocão que o objetivo é apenas proporcionar diversão, utilizando fatores e referências que já fizeram sucesso na história do cinema.

Me deu uma nostalgia gostosa de quando chegava da escola e ficava em frente a TV vendo os filmes da Sessão da Tarde. E com certeza SUPER 8 será exibido nela ( Isso é, se ainda existir ou as "crianças" de hoje não tiveram já baixado).

sábado, 13 de agosto de 2011

A árvore da vida, de Terrence Malick

Ganhador da Palma de Ouro em 2011, A árvore da vida é um filme único. Um magnífico experimento para questionar a relação entre a religião e ciência.

Posso dizer que este é um dos filmes mais belo que vi em minha vida.

A fotografia é um espetáculo à parte utilizando a natureza em suas variadas formas para mostrar o tamanho de sua grandiosidade e também com gestos simples, como um abraço, um beijo, ou um simples olhar. Cada cena do filme é uma poesia visual.

Paralelo a todo esse universo que o diretor criou, há uma trama envolvendo uma família religiosa que mesmo não seguindo uma ordem cronológica coerente para os padrões do cinema, é perfeitamente encaixada na idéia inicial.

Acompanhamos um pai rígido (Pitt) que ama sua família, uma mãe passiva, encantadora e amável interpretada  pela revelação Jessica Chastai e seus três filhos, com destaque para o mais velho,Jack (McCracken), personagem principal da história.


Utilizar o Big Bang e a formação do Planeta Terra foi uma tacada de mestre de Malick.Isso só ajudou a realçar questão que mencionei no início do tópico: A relação entre a ciência e religião.

Sem perceber, entramos dentro da família. Acompanhando desde os mínimos aos mais complexos acontecimento da vida deles, a partir da visão de seu filho mais velho, Jack (que  é representado por Sean Penn nos dias atuais, um sujeito nitidamente frio e adaptado ao mundo corporativo e também que guarda um rancor). 

O maior feito deste filme é nos fazer pensar durante a projeção sobre a nossa vida. (Pelo menos eu fiz isso).Será que tudo o que fizemos até aqui foi certo? Poderíamos ter exigido algo mais de nós? Nos dedicamos a nossa família? Dentre outras perguntas. Desde o ínício ao fim é um exercício de reflexão interna.

Muito bom ter obras que proporciona isso com a gente.


sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Quando partimos, de Feo Aladag.


Candidato da Alemanha ao Oscar 2011 e ganhador da 34º Mostra de Cinema Internacional de São Paulo, este drama vai muito além da exibição. Após o término do filme ficamos com ele na cabeça por um bom tempo, tentando digerir tudo e buscando uma explicação coerente para a natureza humana.

Logo no início vemos o quão infeliz é a protagonista. As cenas iniciais mostram fazendo um aborto, o que é compreendido nos minutos seguintes em que a vimos apanhar do marido e sofrer com seu filho.Além disso é nítido que não existe mais sentimento nenhum na relação, somente estão juntos devido a religião e valores envolvidos na cultura.

A partir disso, resolve então partir para a Alemanha viver com seus pais. No entanto, se depara com um ambiente não tão diferente do que vive. Sua família a discrimina por tal ato e resolve não aceitá-la em tal condição, com medo da represália da comunidade religiosa.Após sofrer humilhação, violência e a possibilidade de seu filho ir morar com pai, resolve ir embora.

                 O que mais me chamou a atenção é a atitude dela em relação a família. Como consegue tentar um relacionamento com eles mesmo sofrendo toda a violência e humilhação?

                E existe apenas uma resposta para isso: Religião. Todas as atitudes e comportamentos são ligados a ela. E pensamos, até qual ponto a doutrina passa de ser saudável e começa a influencias negativamente a vida das pessoas?

                Pois é, em muitos casos pessoas boas se tornam ruins devido a isso.Fica claro que sua família teria uma outra atitude senão estivesse ligada a comunidade religiosa e o final do filme não teria um desfecho tão cruel e seco.

sábado, 11 de junho de 2011

X-men primeira classe

X-men primeira classe é o melhor filme da série, falo isso sem dúvida alguma.

Sempre fui fã demais, e é uma das adaptações das HQ's  que mais gosto.Isso, por não focar em apenas um personagem e também pelos personagens serem  mais próximos dos seres humanos, além da história se encaixar bem com a realidade, utilizando elementos como preconceito, exclusão e valores.

Os antecessores 1, 2 e 3 são ótimos.No entanto, deixam uma lacuna na principal questão: Qual a verdadeira relação entre O prof. Xavier e Magneto? 

Primeira classe veio preencher essa lacuna. E fez muito mais além. Deu uma nova cara para a franquia, o que para muitos pareciam ser impossível.

E qual o maior feito dos produtores? O elenco! Fassbender e Mcavoy estão simplesmente espetaculares, como Magneto e Xavier, além de Jennifer Lawrence (mística) e Kevin Bacon (Sebastian Shaw).

Um blockbuster EXCELENTE! Acho difícil as super-produções norte americanas fazerem algo melhor neste ano.



sexta-feira, 20 de maio de 2011

Piratas do caribe 4: Navegando em águas misteriosas

 Rob Marshall (Chicago, Nine) tinha duas opções: Dar uma nova cara a franquia, ou continuar com a mesma pegada dos filmes anteriores.Para o mal ou para o bem, fez o óbvio e não decidiu arriscar. 

Se optasse por reformular a franquia, correria o risco de algum fracasso, algo que os investidores e produtores não aceitariam de nenhuma forma. Logo,  optou-se pelo óbvio. 

A principal diferença deste, é uma maior presença de Jack Sparrow e Barbossa  nas cenas e claro,  Angélica (Penélope Cruz) que confesso, não me seduziu muito.Só um nome forte e necessário para a franquia.

O desenvolver, todos já conhece: missão, jack sparrow, confusão, água, explosão, lutas e todo esse blá, blá, blá presentes nos três anteriores. Nada além.

Até um novo casal surge para substituir Knightley e Orlando Bloom.Só que dessa vez mais excêntricos, uma sereia e um sacerdote.

Me decepcionou? Claro que não, pois era exatamente isso que esperava.Quem gosta da franquia, vai gostar desse e esperar o quinto. Com certeza.

Só mais uma vez, realço a presença inútil do 3D. Só para tornar o ingresso mais caro, pq pelo amor né? Só as espadas viam na terceira dimensão. Nada mais.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Velozes e furiosos 5 (Fast Five)


  É o melhor filme da franquia. Tão bom, que consegue fazer algo que o governo brasileiro nunca fez: Construir um trem de passageiros, hhaha e detalhe: No meio do deserto. Oi?
  Deixemos os clichês e todas as rotulações de lado, o que não é surpresa pra ninguém.Até mesmo em “RIO” que foi dirigido por um brasileiro e tinha a oportunidade de amansar a imagem de cidade maravilhosa, porém com violência, corrupção e muitas favelas, não o fez, por que com Velozes e furiosos (produção americana) tinha que fazer? Não mesmo.
  Eficiente no que se propõe: Ação sem compromisso, este utiliza como plano de fundo a corrupção de policiais e homens do poder na cidade do RJ para construir a trama.Obviamente, sem deixar as excelentes corridas de carro, característica do filme.
  E, confesso: Fazia tempo que não via um filme de ação com tantas cenas de... AÇÃO. Pode parecer incoerente, mas alguns filmes tentam exibir um roteiro, que para os filmes do gênero são totalmente desnecessário. E o maior feito do filme é esse, focar em cenas, acabar com tudo e todos em sua volta.
  O elenco, sempre eficiente conta com a ajuda de “The Rock”, que se torna um oponente a altura de Vin Diesel.
  Os 10 minutos finais é um espetáculo visual, não consegui respirar direito, uahuhauha.Quero ver de novo.
  Bom demais!

domingo, 1 de maio de 2011

Thor

Após causar uma nova guerra contra os povos do gelo, Thor é enviado pelo seu pai para Terra, sem poderes. Aqui, descobre que seu irmão armou um plano para derrubá-lo, além de conhecer a pesquisadora Jane.Agora, busca suas forças e voltar para sua casa.

Esperava mais ação, pois sempre achei Thor um dos super-herói mais fortes que tem!

Entre as histórias que conheço, esta é uma das mais fantasiosas, e o filme foi bem fiel a isto. O que pode gerar um certo impacto negativo na bilheteria e crítica, pois as adaptações atualmente tendem a ser bem mais humanas, com super-heróis bem próximos de um humano, o que eleva Thor a um ser sobre humano, exceto pelo fato de se apaixonar por Jane (Natalie Portman), e quem não se apaixona por ela? rs

Algo bem bacana no filme é a relação com "Os vingadores", o que já ocorreu em outros filmes da Marvel, só que neste é algo bem mais presente e concreto, faz parte da trama. 

E o 3D? Ainda tô procurando... tirava e colocava os óculos várias x e não via diferença alguma, uhauha

Um bom passatempo e só. Bem aquém de muitos filmes do gênero que foram lançados recentemente.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Contracorrente, de Javier Leon-Fuentes

O pescador Miguel vive no litoral peruano com sua esposa e está prestes a ser pai, quando se vê envolvido com um pintor que chegou recentemente ao local.

Posso contar nos dedos os filmes de temática gay que gostei, Contracorrente é um deles.Este foi vencedor  do prêmio de público  no Festival de Sundance em 2010.

Pode-se dizer que é uma mistura de "O segredo de Brokeback Mountain" com " Dona Flor e seus dois maridos". O trio de protagonista é muito bom, com ênfase na relação entre Santiago e Miguel que teve uma boa  sintonia e o diretor explorou muito bem isso.

Interessante destacar a relação entre os costumes e paixão que o protagonista luta. Por um lado, seu vilarejo religioso, amigos, esposa e um filho a caminho. Por outro, uma paixão por um pintor, que vai além de tudo o que ele viveu até agora.Escondido de todos, os dois vivem uma relação intensa e perigosa (brokeback).

A negação dele vai além da morte do pintor (Aí começa a relação com Dona Flor e seus dois maridos).Isso mostra a dificuldade dele de assumir para si mesmo que gosta de homem, até um diálogo interessante que rola entre os dois, evidenciando que a masculinidade de um homem está em suas atitudes e caráter e não em sua opção sexual.

Após o acidente, o filme cai um pouco de produção. Começam as revelações e ligações, todos descobrem do caso e todos podemos imaginar o que ocorre. Mas, em contraponto a relação dele com o espírito é interessante.

Com um desfecho coerente, Contracorrente mostra de uma forma diferente como é difícil a aceitação da homossexualidade, para si próprio e sociedade, principalmente em lugares com tradições religiosas.






domingo, 10 de abril de 2011

The Way, de Emilio Estevez

Pai vai a França buscar o corpo do filho que morreu  na travessia de Santiago de Compostela. Chegando lá, resolve fazer a travessia e jogar as cinzas de seu filho no caminho.

De uma forma geral, tenho grande apatia por Road Movies. Pra quem não sabe, filmes de pessoas que botam o pé na estrada em busca de algum objetivo, autoconhecimento ou simplesmente pelo gosto de viajar, conhecer novos lugares.

"El camino de Santiago de compostela" para muitos, é sagrado.Pessoas de todo mundo o percorrem com os mais diversos propósitos, até mesmo em busca de milagres.Todos que atravessam os aproximados 800km de percurso são chamados peregrinos.

O protagonista do filme, TOM (Martin Sheen) entra na jornada para se redimir com seu filho, que aparentemente nunca teve uma relação das melhores e o criticava pelo espírito aventureiro, logo resolveu prestar uma última homenagem jogando suas cinzas durante o percurso. Logo, percebe que a viagem pode ser muito mais que isso. Tom busca o seu autoconhecimento, além de viajar o que nunca teve tempo de fazer, devido as escolhas que fez na vida.

Durante a travessia junta-se a um grupo formado por uma canadense que faz a travessia para parar de fumar, um holandês doidão que quer emagrecer e um jornalista. que está escrevendo um livro sobre os relatos dos peregrinos, além de outros que cruzam pelo caminho.

Pra encerrar, uso uma frase do filho de TOM, durante a última conversa com o pai "-Não se escolhe uma vida, vive-se uma".

sexta-feira, 8 de abril de 2011

RIO, de Carlos Saldanha

Arara azul domesticada vem para o Brasil na tentativa de acasalar com a última fêmea de sua espécie.

Carlos Saldanha larga ar gélido da franquia A era do Gelo para embarcar na calorosa e carismática RIO.A principal diferença dos filmes é o clima.

Quando vi que ele filmaria uma animação sobre a cidade do RIO, fiquei ansioso e à espera do trailer, quando vi, percebi o que viria pela frente: Um filme caricato, com personagens envolventes, focando em tudo o que nós  sabemos do RIO: Carnaval, malandragem, favela e belas paisagens. Não foi diferente.

Mas não poderia esperar algo diferente, certo?

Pra nós brasileiros tudo soa bem familiar e nossa impressão do filme pode ser influenciada devido a isso. Mas a favor, temos o carisma dos personagens que é impossível não gostar. Sem falar no aspecto visual, além das maravilhosas vistas do Rio, o filme é bem colorido o que dá uma impressão de festa sempre.

Eu, paulistano, espero que algum dia o diretor faça um amontoado de estereótipos igaul a Rio chamado SAMPA. Com algumas baratas, ratos ou pombos engravatados de uma grande metrópole que vivem para trabalhar e buscam um novo sentido na vida. hahahah

Boa diversão, não sei se vai pegar lá fora, mas aqui dentro será um mega sucesso. Torcida!!!

quarta-feira, 30 de março de 2011

Mundo Surreal (Sucker Punch, de Zack Snyder)

Após morte de sua mãe e incidente com sua irmã, garota é internada em hospício. Para fugir da realidade, cria um mundo fantasioso.
Pra quem gosta de histórias muito fantasiosas, Sucker Punch é uma ótima pegada. Podemos dividir os tempos do filme em 3 realidades: A  real, a imaginação e a imaginação dentro da imaginação. Complicado? Hun, não... Diferentemente de “A origem”, o diretor não conseguiu mostrar muito bem esta relação, o que prejudicou também é o excesso de informações e surreal.
Gostei da garota principal, acho que tem futuro. Agora as demais, pelo amor... só são extremamente bonitas, com exceção da moça(Vanessa Hudgens) do High School Musical, sua tapada!
Zack Snyder. O mínimo que podemos afirmar deste diretor é que ele é no mínimo visionário. Com uma filmografia que mais foi criticada do que elogiada, ele mantém a linha de direção aplicada a outros longas, muitas pessoas o idolatram. Eu fico no meio termo, apesar de achar “A madrugada dos mortos”, o melhor filme de zumbis de todos os tempos.
O saldo deste é positivo. O melhor do filme é a trilha sonora. Os efeitos visuais estão Ok, em algumas partes até parecem algum jogo, mas nada que prejudique As garotas bonitas e sensuais dão um toque a mais no filme. Mas quem não gostou de “300” e “Wacthmen”, este é mais inferior do que os dois, não conseguiu explorar e passar todo o conteúdo da adaptação.

Fuga da realidade
Hoje andamos tão ocupados com tudo, com todos e sem tempo pra nada. O cotidiano nos mata.Às vezes, não conseguimos nem pensar direito, agimos no impulso e nos prejudicamos.
Quando sofremos algum trauma, a mente pode bloquear tal acontecimento para nos proteger. Isso é comum e impede que sofremos com isso na memória.
Tais fatos podem ajudar a nos compreender porque é necessário relaxar. E o melhor a fazer é esvaziar a mente.
Está com algo na cabeça e não consegue tirar? Isso te prejudica? Então viaje. Viaje no sentido literal, conheça novos lugares ou saia com amigos, familiares,  faça coisas novas e que te ocupe e ocupe sua cabeça.
Encarar o problema de frente  na maioria das vezes sempre é a melhor opção, mas em alguns casos dar uma respirada pode fazer com que tenhamos uma visão diferente e agregada de tal fato.

sábado, 26 de março de 2011

Atividade Paranormal: Tóquio ( Paranormal activity tokyo night)

Após retornar de uma viagem ao EUA, garota e seu irmão são atormentados por atividades paranormais em sua casa.

O filme tem uma relação direta com o Atividade paranormal 1 e não o 2. Ou seja, não é o 3º da franquia igual muitos estão divulgando por aí.

Pra ser sincero, não gostei de nenhum dos três. E pq assisto? Pq há uma carência enorrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrme de filmes de terror hoje em dia, então qualquer bosta, tô vendo, pois é um dos gêneros que mais gosto.

Quer mais prova de que há carência do que o Atividade Paranormal 1 conseguir mais de 200 milhões de bilheteria?

Voltando ao filme. Esta versão em Tóquio é superior as demais. Além da qualidade dos equipamentos, o clima do filme é mais assustador e não enrola muito pra mostrar alguma "ação", mas não deixa de ser chato acompanhar uma câmera dentro de um quarto (aliás, agora temos duas câmeras!!! Uma no quarto de cada irmão) esperando algo sobrenatural acontecer... +_+

O mais interessante neste filme é que : temos JAPONESES com caras assustadas! hahaha, meu, vem dizer que uma japonesa possuída não é mais assustador do que uma americana? hahaha

Enfim, desconsiderando um roteiro péssimo e uma relação esquizofrênica com o primeiro longa, pra quem gostou dos primeiros filmes, vai adorar este. Quem nunca viu, vai se assustar. Quem viu e não gostou do primeiro (meu caso), vai continuar não gostando.

sábado, 19 de março de 2011

Jogo de poder (Fair game)

Filme baseado em fatos reais sobre a ex-agente da CIA que teve sua identidade revelada  após seu marido, ex-diplomata Joseph Wilson criticar o governo americano por manipular informações para justificar a invasão ao Iraque.

Existem inúmeros filmes sobre a guerra do Iraque.Confesso que este é um tema que já não me cativa muito, acho que está um pouco esgotado, mas mesmo assim, em sua maioria, rende ótimos filmes. E "Jogo de poder" é mais um deles.

O diferencial deste é ser baseado em fatos reais. Aparentemente, um jornalista descobriu a identidade da agente, mas o que mais estranha na história é que isso ocorreu após seu marido, ex-diplomata criticar o governo americano por atacar o Iraque, o mesmo dizia que não existia provas suficientes  que o país produziria armas de destruição em massa.

Utilizando como foco principal, a relação entre o casal  interpretados brilhantemente por Naomi Watts e Sean Penn, mostra o desgaste que a profissão causou na família e o a relação entre os dois no limite.

O diretor (Doug Liman - "Identidade Bourne"), consegue manter uma direção coerente e sem aquela chatice política que em sua maioria deixa o filme um pouco lento, desinteressante. Além disso, foi bem feliz ao utilizar discurso reais de políticos americanos sobre o assunto, que agregaram e muito o filme. E no final, vemos a audiência da envolvida no caso, Valeria Plame.



sexta-feira, 18 de março de 2011

Invasão do mundo : Batalha de Los Angeles ( Battle: LA)

Fuzileiros tentam impedir que alienígenas dominem a cidade de Los Angeles, a única que não foi tomada da costa americana.

Invasão do mundo: Los Angeles é  totalmente dispensável. Não gosto de falar isso, tento tirar pelo menos algo positivo do filme, mas neste realmente é difícil.

Obviamente já fui ao cinema esperando o que ia ver: Um blockbuster que apela aos efeitos visuais, histórias baratas e diálogos desprezíveis. Claro, isso aconteceu... mas foi além, e por que digo isso?

O roteiro é totalmente arrastado, os efeitos não são lá estas coisas( OK, passa mas nada de novo nem que agregue ou que eu nunca tenha visto), e os personagens, um porre.Além do apelo ridículo emocional que o diretor busca praticamente em toda cena

As crianças do filme não param de chorar nenhum momento, toda vez que aparecem , é cara de choro irritante! Argh! Saudades de crianças espertas.

E não preciso dizer que os soldados conseguem derrubar os alienígenas de LA, certo? Além disso que é totalmente previsível, e também o fato de fazerem o impossível, o que também é...há uma relação de moralismo barata entre o sargento e soldados, o que torna algumas cenas mais insuportáveis ainda.

Enfim, o filme consegue ter todos os elementos para ser péssimo!!! Parabéns!




quarta-feira, 16 de março de 2011

Como você sabe (How do you know)

 Lisa (Whitherspoon) é uma mulher que se dedicou inteiramente ao beisebol, quando se vê dispensada fica sem norte e perdida.Conhece um jogador Matty (wilson) pelo qual inicia um relacionamento, paralelo a isso conhece George (Rudd) que está com a vida virada devido a um processo financeiro movido pelo governo americano.

Um filme gostoso e leve, dirigido por James L. Brooks("Espanglês" e "Melhor é impossível")

Gosto muito da atuação dos três protagonistas, apesar que Rudd e Wilson já estão meio associados a este tipo de papel, mas Whiterspoon dá um show, e a personagem ajuda muito. Além de termos de quebra, Nicholson.

Quando algum acontecimento abala a vida dos personagens eles se veem perdidos, sem saber o que fazer, como fazer e pra onde ir, o que cai bem com o título do filme " Como você sabe", aliás, como saber que isso é realmente um problema?

E seguindo esta linha de pensamentos, os personagens se envolvem, mesmo sabendo que um problemão os aguarda, mas se entregam ao que acontece agora.

Sim, uma comédia romântica que vale muito a pena assistir!Despretensiosa, leve e com a narrativa bem gostosa, com um elenco bem encaixado e um tema que não foge muito de nossa realidade.

Como encarar os problemas! Sério?

Ó, adorei como os personagens do filme encaram os problemas!!! Aliás, não enfrentam, deixam rolar...rs.

Confesso que penso em muitos casos assim, sabe? Obviamente temos que agir de alguma maneira, mas em alguns casos, não é necessário.

Vejo que muita gente se esforça e faz uma tempestade em situações pequenas, sejam amorosas, sociais ou profissionais, o que levam a um desgaste nas relações.

Sabe, às vezes é bem necessário apertar o foda-se pra alguns acontecimentos e viver o presente, pois como já dizia um pensador, " o futuro está no presente".



domingo, 13 de março de 2011

Em um mundo melhor ( In a better world)'

 Duas famílias veem suas histórias cruzadas através da amizade de seus filhos.


Ganhador do Oscar 2011 de filme estrangeiro, "Em um mundo melhor"acompanhamos a relação de maturidade e integridade de pais criando os filhos, e a rebeldia e influência de atitudes e comportamentos dos adolescentes.

O filme pode ser dividido em duas partes: a primeira, que acompanhamos a vida do médico pai de um dos garotos, cuja área de atuação é um país pobre da África, dominado pela pobreza e milícias violentas. 

A outra, fala sobre a relação de amizades entre os dois garotos, quando um (chrstian) defende o outro (elias) de ataques de bullying na escola, só que de uma forma de extrema violência. Christian é um garoto rebelde que é obrigado a morar com o pai após a morte de sua mãe e o culpa por isso.

A construção dos personagens e relações entre si é o maior feito do filme, uma poderosa ligação que não foge muito da realidade.

É interessante a direção de Susanne Bier que não se perde (mesmo utilizando muito melodrama) no roteiro.

Dentre os fatos que mais me chamaram atenção no filme, posso destacar dois. A relação de amizade e influência dos amigos, o que nos mostra que a influência pode sim acontecer em jovens. E também, o maior destaque vai para a maturidade do pai e médico ao tratar com os assuntos corriqueiros profissional e pessoal, um show de integridade.

Um ótimo filme dinamarquês que tinha todos os elementos para ganhar o Oscar, e o fez.

Só não acho que dentre os cinco indicados para melhor filme estrangeiro, este era o melhor. Ao meu ver, "Caninos" e "Incêndios" são superiores.




quarta-feira, 2 de março de 2011

Bruna surfistinha

Adaptação do livro " O doce veneno do escorpião", que conta a história da prostituta Raquel Pacheco, mais conhecida como Bruna surfistinha.

Com ritmo constante, uma boa trilha e excelente elenco, com destaque para Drica Moraes, Fabiula Nascimento e Deborah Secco.E convenhamos, que atuação de Deborah hein? Vai ficar na minha cabeça por um bom tempo, não considerando apenas sua beleza, mas ela botou pra quebrar...entrou de corpo e alma no papel...dá pra ver mesmo que se dedicou ao extremo para a atuação. Parabéns!!!

Uma das atuações femininas mais sensuais e excitantes de todo o cinema nacional.

O filme cai um pouco de qualidade após ela se viciar em cocaína, começa toda aquela dramaturgia e blá, blá blá e alguns personagens da trama são esquecidos (único defeito do filme, ao meu ver).

Um saldo mega positivo para o cinema brasileiro. Que mostra-se cada vez mais forte na qualidade de seus filmes (e olha que este tinha tudo para ser uma bomba), e algo muito importante: Está conseguindo levar o público para as salas de cinema!!! Muito bom!!!

Prostituição

O velho debate da ética x hipocrisia.

Que a prostituição é uma das profissões mais velhas da humanidade não é novidade para ninguém. Que a maior parte da clientela é de pessoas do bem, com uma profissão dentro dos padrões também não.

E por que há tanto preconceito contra? Por que sempre é associado há promiscuidade, pessoas baixas e sujas?

Sei que há muita coisa que pode influenciar (valores, cultura, religião...etc), mas é presente em todo o tipo de lugar, em qualquer buraco do mundo e devemos sim, lidar de forma mais amena com isso.

E pq não encaramos a como uma profissão normal, legalizá-la? Como toda profissão, há uma escolha, aperfeiçoamento, prática e aplicação ( momento de descontração hahaha).

Além disso, quantas histórias ouvimos de prostitutas que se prostituem para sustentar a família? Melhor do que roubar, ou ser um político corrupto, não?

E outra, se alguém quiser se prostituir por opção própria, por gostar ( como no caso do filme), qual o problema...se tem aptidão pra isso! Oras!!!! 

 O que importa é ser feliz e pagar as contas!



segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Oscar 2011: Sou careta e voto no Discurso do Rei

Nos últimos 3 anos o Oscar premiou filmes contemporâneos e que fogem um pouco dos critérios da Academia (Onde os fracos não tem vez, Quem quer ser um milionário e Guerra ao terror).Pensei eu: Será uma nova era para as premiações? Aí veio "O discurso do Rei" e me jogou um balde de água fria.

O ganhador deste ano não é ruim. Pelo contrário, é um filme perfeito. E aí que está o problema... parece que os produtores do Oscar foram responsável pelo filme... tudo nele soa arrumadinho demais para a cerimônia!!! Argh!

Como já disse anteriormente, meu favorito era "Cisne negro", mas sempre tive consciência que nunca iria ganhar o prêmio. Aí sobrou "A rede social" e "A origem". 

Origem levou 4 nas categorias técnicas e Rede Social 3 (Inclusive Melhor Edição que pensei que seria o principal indicador  para melhor filme), mas ...prêmios subjetivos para ambos , que a Academia rateou para não ficar muito feio.

Vamos para alguns fatos positivos da premiação:

  • As melhores atuações do ano foram premiadas. Sem dúvida alguma, os 4 ganhadores mereceram, e concorriam com outros tremendos concorrentes;
  • Toy Story 3: Impossível não premiar.
  • Documentário: Mesmo torcendo para Lixo Extraordinário, Trabalho interno é bem superior, e agrega muito mais.
  • Trilha sonora: Mesmo sendo a de "A origem" a favorita, a trilha de A rede social é um espetáculo.
  • Roteiro adaptado para A rede social;
Fatos lamentáveis:
  • Melhor fotografia. De todos, A origem era o que menos merecia ganhar. Cisne negro junto com Bravura indômita tinham a melhor fotografia;
  • Melhor canção: Ok, ok..a canção de Toy Story 3 é até bonitinha, mas que decadência hein!? Antes ficava ansioso para ouvir as canções indicadas...este ano...todas ruins.
  • Roteiro original: Como não premiar Christopher Nolan por criar um mundo para nós?
  • Melhor filme : batendo na mesma tecla. Premiação de A origem ou Rede social.
e a categoria com a 2 injustiças:
  • Melhor direção: Já começou errado nos indicados. Como deixar de fora Christopher Nolan?(2).E na premiação, premiarem  David Fincher? Lamentável.
Enfim, o mundo não é justo e não é o Oscar que tem que ser. Em uma parte da cerimônia foi dito que o vencedor de melhor filme iria se juntar a um seleto grupo de ganhadores, e os outros ao lado de filmes como Cidadão Cane, doze homens e uma sentença, taxi driver entre outros.Isso que me conforta,

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Incêndios (Incendies)

Ao ler o testamento de sua mãe, os gêmeos descobrem que um dos desejos dela é que entreguem uma carta para seu pai e irmão que estão localizados em algum lugar do Oriente Médio. Logo, a jovem sai em busca deles e descobre a história de seu passado.

Indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro, é o que tem mais chances de vencer, por aglomerar uma série de fatores que os votantes adoram: Globalização, religião, violência, guerra, entre outros...e convenhamos  né, um puta filmaço!

A narrativa  é dividida em duas partes: 1) Atual: Acompanha a busca dos gemêos pelo pai e outro irmão. 2) Mostra os fatos que antecederam o nascimento do filme que é o ponto-chave de toda a trama.

Bem complexo, porém nada fora do comum. O diretor fez um filme de roteiro inteligente, porém compreensível ( Confesso que na hora do clímax , quando um pergunta a outra se "1+1 pode ser 1", fiquei um pouco com medo de poder não entender o final, mas enfim...fica bem explicadinho).

Complexo, contemporâneo, seco e forte,  mostra uma série de acontecimentos interligados, que não fogem a nenhum momento das mãos do diretor.Uma série de "incêndios" que ocasionam em um desfecho fora do normal.

Fica a minha torcida para o Oscar!









terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Doce vingança ( I spit on your grave)

Sem comentários para o título em Português, a tradução de "I Spit on yor grave" é algo parecido com "Eu cuspo em seu túmulo, e eles me dão o título de Doce vingança.Isso é de Fo$%# com bilheteria!

Uma escritora vai buscar inspiração em uma cabana afastada, quando é surpreendida por rapazes que decidem humilhá-la e violentá-la. Ela foge e retorna para se vingar.

A 1º parte é um amontoado de clichês. Quase morri. Desde deixar o celular cair na privada até conseguir fugir mesmo estando quase morte(de uma forma absurda, aliás). Sem contar nas referências a outros filmes.

Já na 2º parte e melhora, e MUITO.Esquecemos toda a merda de roteiro e caímos de cara dentro da vingança dela! Com cenas de torturas muito boas deixa qualquer assistente de JIGSAW com inveja.

Um bom filme que vale só pelas cenas de tortura! (Nunca fui fã desse tipo de filme, parei no Jogos Mortais III, mas até que esse vale como passatempo). A Atriz é bonita também.

A doce vingança!

E olha só, o título em português até serviu para alguma coisa!!!

Não sei se tenho muita influência do signo de Escorpião em mim (que especialistas dizem ser muito vingativo), mas gosto do sentimento da vingança.

Mas por que buscamos nos vingar e quando conseguimos, na maioria das vezes é algo bom?

Eu pelo menos, às x que me vinguei me senti prejudicado de alguma maneira.Logo, para buscar minha única e exclusiva justiça, pratiquei este ato. 

Mas aí que mora o problema, para nós esse ato é justificado.Uma única e exclusiva análise da situação faz nos retalhar contra uma pessoa, e essa análise nos absorve, nos corrói até praticarmos nossa justiça.

Como já ouviram muito:" Pare, respire e conte até dez", e se pensar em retaliação, faça isso inúmeras vezes.

Isso pode evitar que sua vingança não tenha um gosto amargo.



domingo, 20 de fevereiro de 2011

Esperando pelo Super Homem (Waiting for superman)

Não sei se o título em português é "Esperando pelo Super Homem", mas acho que não dá pra fugir muito, a não ser que ridicularize como fazem em alguns casos.

O documentário segue uma série de crianças que tentam entrar nas melhores escolas públicas do EUA.

Acho que poderia entrar no lugar de "Restrepo" na disputa pelo Oscar, mas como o diretor já ganhou com "Uma verdade incoveniente", deixaram de lado.

A essência do filme é criticar o sistema  de ensino americano. Com uma série de burocracias e dificuldades, o acesso de crianças pobres a educação de qualidade é extremamente difícil, e extremamente associada ao título do filme "À espera do super homem" para conseguirem alguma vaga, algum caminho para fugir da realidade já previamente traçada.

E algo muito real é dito no filme: A formação e manutenção dos professores é o mais importante para a formação da nova sociedade. É um absurdo, como mostra no filme, que os professores incompetentes são beneficiados por leis e pelo estado.

Uma realidade de um país de primeiro mundo. Não vou entrar em detalhes sobre a educação no Brasil, mas muita coisa é parecida.

Mais uma vez um documentário veio pra agregar algo. Parabéns.

A profissão mais importante do mundo

Ao meu ver, os professores tem tamanha importância na formação da sociedade, que é a profissão de maior impacto que existe. E além disso, a 2º maior influência que teremos em toda nossa vida, só perde para nossos familiares.

Sempre estudei em escola pública e me orgulho muito disso. Tive experiências ótimas com professores que lembro até hoje, algo positivo e que me coloca pra frente. Mas na maioria do casos, lidei com educadores sem preparação técnica e psicológica para formar um cidadão.

E como faz a diferença termos um professor influente!!!

Me lembro de algo que marcou muito. Tinha um professor de Geografia que foi um dos melhores educadores que passaram pela minha vida. Ao ensinar uma matéria bem difícil ( não me lembro qual, mas todos os alunos reclamavam), tentava do melhor modo passar seu conhecimento adiante, ajudando a todos interessados. No dia da prova sobre a matéria, ele colocou nos cantos da prova mensagens de esperança e empenho. Resultado: Um desempenho da classe mais do que o esperado.

É preciso antes de qualquer reforma financeira e social, uma valorização e manutenção dos mestres. Eles são  um dos principais responsáveis pelo o futuro. 

Alguma dúvida disso? Só pensar em algo positivo, alguma qualidade que você tem...com certeza, alguma coisa tem influência de um professor que você teve na vida.

Somos todos influenciáveis e qualquer influência tem impacto na nossa formação como cidadão. Espero sinceramente que algo seja feito na educação no Brasil, focando principalmente no desenvolvimento do corpo docente! Enfim, torcemos.


sábado, 19 de fevereiro de 2011

Uma noite em 67

Documentário sobre o Festival da música brasileira que ocorreu em 1967.

Neste Festival estavam presentes nada menos que Roberto Carlos, Caetano Veloso, Chico Buarque, Mutantes e Gil, gigantes da música brasileira que competiam entre si.

Impressionante!!!

Músicas que todos nós conhecemos e que marcaram a vida de muita gente, aliás, marcam até hoje. "Alegria, alegria" cantada por Caetano, "Domingo no parque" , por Gil e "Roda viva", por CHICO BUARQUE.

Sem contar que ocorreu no meio da Ditadura. E, uma parte do filme mostra um protesto contra guitarra elétrica, quando o Brasil começava a ser invadido pela música Ianque...protesto em que estavam presentes Elis Regina, Jair Rodrigues e Gil. Seria um absurdo lutar pela cultura brasileira, na época em que tudo era proibido? Não.Uma defesa da originalidade e em prol da música brasileira.

Me sinto meio nostálgico por relembrar estes tempos de glória da música brasileira...mas Êta Nostalgia boa !!!

E meio triste por ter nascido numa época em que tudo é influenciado, copiado... enfim, mas ainda existe muita coisa boa e com cara de Brasil, é só procurar.

Vale a pena passar este fato adiante, para nossos filhos, netos...e etc. Mesmo com tudo o que acontecia na época, o Brasil teve a maior explosão de cultura musical de todos os tempos.

E vem cá, acho que a repressão ajudou nisso. Os artistas tinham que se libertam de alguma forma, e o fizeram através da música. Graças a Deus.



Trabalho interno, de Charles Ferguson

Documentário sobre as origens e consequências da crise financeira que abalou o mundo em 2008.

Dividido em 5 partes:Como Chegamos Lá; A Bolha; A Crise; A Prestação de Contas e Onde Estamos Agora, conta como a maior economia do mundo conseguiu entrar em colapso.

O filme consegue (mesmo para um alienado do mundo financeiro como eu e que não entendo bulhufas do sistema de hipotecas americano) prender com informações pertinentes a economia, investimentos e concessão de créditos , o que já não foge muito de nossa realidade e é de interesse comum.

Duas coisas me chamaram muita atenção : Como o governo americano deixou essa crise acontecer e a relação entre as principais universidades americanas com a desregulamentação do sistema.

Como o "maior" país do mundo liberou a desregulamentação dos bancos de investimento e não fiscalizou os bancos e seguradoras, permitindo a liberação de créditos desta maneira??? A corrupção e relação entre políticos e Wl. Street é algo fora do normal. Wall Street manda no Eua. Fato.

E o mais interessante do filme: Os professores das maiores universidades ensinam os alunos a apostarem neste sistema fálido que ocasionou no maior colapso financeiro.E isso pq? trabalham como consultores para os Bancos , seguradores e Investidores. E...para o governo americano.

Foda, né? Pensamos que só aqui no nosso país tropical há corrupção e problemas...que nada!

Algo fácil de se explicar: Ganância e Capitalismo.

Fortíssimo concorrente ao Oscar de Melhor documentário.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Terráqueos (Earthlings)

Terráqueos é um documentário cruel, que faz jus ao seu propósito inicial: chocar!
Dividido em 5 partes: Pet, Alimentação, Vestuário, Entretenimento e Pesquisas científicas, mostra a dependência humana em relação aos animais.
Com cenas de crueldade presentes em todo o filme ( Quase morri em duas: Uma que colocam o cachorro para ser morto em um caminhão de coleta de Lixo, e a outra em que tiram a pele de uma raposa...e ela continua viva, piscando os olhinhos)...foda demais, sem contar as outras.
O massacre de animas nos faz pensar ( e muito) se todo nosso consumismo nos leva a algum lugar, sem contar na realização própria.
Obviamente o filme utiliza de todos os meios possíveis para acabar com as indústrias que envolvem operações com animais, às x parece ser dura demais.., mas se pararmos pra pensar, isso que acontece no filme, pode não ocorrer da forma cruel como eles mostram na maior parte, mas OCORRE.
O que complica, é que este assunto preferimos não debater. Encobrimos a realidade, por ser algo duro de ver e complicadíssimo de lutar contra., além de ir contra nossos instintos e cultura.
Falo isso pois sou carnívoro e gosto de carne. Mas não é a primeira vez que tenho um conflito em relação a isso.
Creio que a solução em curta escala é consumir com mais responsabilidade. Deixando de lado alguns hábitos desnecessários, pensando num bem maior.
E para encerrar, roubo uma frase do filme : "Faça a conexão". Conexão entre humanos, animais e natureza.